RH estratégico: 5 erros que comprometem o bom resultado em empresas fabricantes e distribuidoras de produtos de saúde

O RH estratégico é a consequência de uma evolução deste departamento que aconteceu ao longo dos anos, mudando a forma como as atividades relacionadas à área de Recursos Humanos são percebidas pelos demais.

A meta, entre outras, é de que seja empregado um papel decisivo no que se refere à gestão de pessoas, atuando de uma maneira próxima ao colaborador e se distanciando da visão totalmente burocrática pela qual era enxergada.

Neste post, vamos explicar porque o RH estratégico é importante nas empresas de saúde. Feito isso, citaremos os principais erros do setor e daremos dicas sobre como resolvê-los. Também mostraremos para você de que forma softwares de gestão podem auxiliar os seus resultados a serem cada vez melhores. Continue a leitura, a seguir!

Qual a importância de um RH estratégico para as empresas de saúde?

Trabalhar de maneira estratégica para um time de RH em uma corporação envolve mais do que apenas força de vontade ou intenção: exige certa ligação com a estratégia. Isso implica que o setor, a gestão e os times de RH executem suas atividades com foco não somente em processos básicos, mas em apresentar à empresa soluções que atendam necessidades simples (as quais estão previstas em lei), tornando a ação viável.

A meta do RH estratégico é descobrir quais são os obstáculos que as empresas em saúde podem enfrentar mais adiante e auxiliá-las nesse sentido, junto com o know how que a área possui sobre a instituição e a capacidade inerente à gestão de pessoas, de maneira geral – da mesma forma, o uso de técnicas e recursos que ofereçam os melhores resultados. É tirar a imagem exclusivamente de procedimentos burocráticos e ampliá-la para a distribuição de soluções que façam o negócio aplicar e efetivar a sua ideia.

Devido à isso, o departamento de algumas clínicas e hospitais iniciou discussões com a alta gestão sobre assuntos que não eram debatidos anteriormente, tais como atração e retenção de funcionários, aperfeiçoamento de talentos e lideranças, clima institucional, desempenho, políticas da cultura, ambiente para transformações, motivação, plano de carreira e análise de performance, entre vários outros itens, os quais não estão necessariamente conectados à gestão de pessoas.

Nos dias de hoje, é de extrema importância que o RH estratégico assuma esta função em empresas de saúde que planejam um desenvolvimento sustentável a médio e longo prazo. O objetivo disso não é provar para o mercado que está em dia com as tendências do setor, mas estruturar as bases do negócio para que a ação possa ser concretizada e influenciar o Triple Aim (Metas Triplas, em português).

Sendo assim, listamos algumas estratégias que podem ajudar você com o RH estratégico:

  •  Conheça as estratégias do negócio;
  •  Divida-a em ações e/ou processos menores;
  •  Observe quais dessas atividades devem ser apresentadas com soluções oferecidas pelo departamento;
  •  Determine quais são as soluções e de que forma serão oferecidas, a fim de que as empresas de saúde possam aplicar a sua ideia;
  •  Desenvolva as bases na área para oferecer tais soluções (atividades, estrutura e disposição e tecnologias implementar as ações e/ou processos);
  •  Treine as equipes da gestão de pessoas;
  •  Use as soluções de RH para as necessidades da empresa detectadas;
  •  Acompanhe o crescimento da estratégia e os resultados conquistados;
  •  Faça parte dos debates estratégicos das empresas de saúde como um tomador de decisões e/ou fornecedor de soluções;
  •  Volte para o item inicial, de acordo com a repercussão e as alterações de estratégia.

5 erros que comprometem o bom resultado em empresas de saúde

1-  Não possuir o acompanhamento das informações

É normal esbarrarmos com pilhas de registros nos espaços dos colaboradores de Recursos Humanos que ainda não modernizaram suas atividades. Dessa forma, é inevitável que os funcionários percam deadlines, deixem responsabilidades e se desgastem. A solução para tais desafios é o acompanhamento de informações e atividades por meio da automatização. No caso de fabricantes e distribuidoras de produtos de saúde, se pode monitorar as escalas de atuação conforme a necessidade de cada área ou trabalhador.

2- Processos de aperfeiçoamento que não atendem às normas

Não contar com um sistema de gestão para processos de aperfeiçoamento que atenda às especificações das normas regulamentares é uma das maiores falhas do RH. De qualquer forma, boa parte das pessoas não percebe que essas atividades podem ser personalizadas segundo a demanda do negócio ou até por cargos ou papeis, por exemplo. Através de um mecanismo assertivo, o acompanhamento econômico dos treinamentos em saúde, junto ao Retorno Sobre O Investimento (ROI), se torna uma realidade – além, é claro, da emissão de relatórios e análise da eficiência de cada aposta.

3- Complexidade na geração de relatórios

Outro engano bastante comum no setor de RH é a falta de acesso a relatórios simplificados e personalizáveis. Esse tipo de obstáculo petrifica a tomada de decisão e ainda pode causar grandes prejuízos à instituição. Para que a gestão em fabricantes e distribuidoras de saúde seja eficiente, é importante haver a geração de relatórios, através de filtros que maximizam oportunidades de avaliação, troca de dados entre áreas e visão geral sobre as atividades aos gestores.

4-  Erro na comunicação e automação interna

Conseguir uma comunicação interna globalizada é algo complexo para as empresas que contam com muitos funcionários – por tal motivo, a dificuldade em estreitar o relacionamento está entre os principais erros do setor. Para reverter este quadro, utilizar uma ferramenta de gestão com workflow e etapas de acesso é uma melhoria para os gestores que conhecem a relevância da automação entre profissionais, líderes e empresa.

5-  Processo de Recrutamento e Seleção ineficaz

O turnover é um indicador de RH alarmante para todo e qualquer gestor – especialmente, para as empresas de saúde com grande número de funcionários. Isso porque são várias as instituições que ainda não optaram por um recurso adequado para otimizar o processo. Já existem programas voltados à Recrutamento e Seleção com alternativas de filtros por ramo de atuação, por exemplo. Desta forma, o profissional responsável por esta atividade poderá escolher as fichas cadastradas online de acordo com faixa etária, qualificação, cidade natal, dentre outras opções.

Percebe como a maioria dos erros que impedem o trabalho de um RH estratégico estão vinculadas à falta de automação dos processos? Em todos os casos, um software de gestão com módulo de RH pode ser um grande aliado na busca por resultados incríveis.

Conheça a solução VIGIX e descubra como otimizar as atividades das empresas de saúde!

Outros posts que você também pode gostar...