Fluxo de caixa ideal: como escolher o certo para o seu negócio?

Ter o controle das finanças é um fator muito importante para o sucesso do seu negócio. Controlando todo o dinheiro que entra e sai de sua empresa,o empreendedor tem uma visão mais estratégica e consegue gerenciar melhor futuro da organização: expansões, retrações, contratações, demissões, etc. 

E é exatamente isso que faz o fluxo de caixa: proporciona o melhor controle das finanças, registrando todos os movimentos financeiros da empresa. No entanto, existe um fluxo de caixa ideal para cada organização, e é sobre isso que vamos abordar nos próximos tópicos. Acompanhe!

O que é e para que serve o fluxo de caixa

O fluxo de caixa é o monitoramento das entradas e saídas de dinheiro de um negócio, e também recebe o nome de controle de caixa. Ele faz parte das rotinas financeiras de empresas dos mais variados portes e segmentos, permitindo que o dono da empresa e seus contadores saibam exatamente de onde vem e para onde vai o dinheiro, projetando ganhos e despesas dos próximos períodos.

Pelo fluxo de caixa, o empresário acompanha o real faturamento da companhia e o compara ao faturamento ideal para que se cubra todas as despesas e se consiga lucrar, o que é o objetivo principal de qualquer organização. É dessa forma que as lideranças podem vislumbrar novas abordagens para cobrir uma iminente falta de dinheiro no futuro, por exemplo, entre outras possibilidades. Ao manter um fluxo de caixa em ordem, há uma maior probabilidade de se ter as finanças sempre em equilíbrio, evitando recorrer a empréstimos, que geralmente oferecem juros altíssimos.

Como fazer o fluxo de caixa

O fluxo de caixa ideal é realizado em um software que já possui todos os pontos a serem preenchidos pelos colaboradores encarregados. Existem ERPs com módulos elaborados especificamente para o fluxo de caixa que a sua empresa necessita (abaixo veremos os tipos de fluxo de caixa), como é o caso do ERP da Visto Sistemas. 

As informações básicas que uma planilha de fluxo de caixa deve ter são (seja ela manual ou automatizada):

– Saldo do período anterior

– Saldo atual

– Descrição da movimentação de entrada

– Descrição da movimentação de saída

– Receita (valor das entradas)

– Despesa (valor das saídas)

– Movimento (total de entrada ou saída de cada movimentação)

Além disso, você precisa:

Categorizar suas despesas

Separe as suas despesas por categorias: fornecedores, funcionários, contas, etc. Assim, você vai saber quanto de dinheiro está indo para cada um desses setores.

Categorizar seus ganhos

Da mesma forma, categorize ganhos, como pagamentos à vista, a prazo, investimentos, etc.

Escolher um período

É preciso escolher um período para o fluxo de caixa: diário, semanal, mensal, etc. Idealmente, faça esse controle diariamente e analise-o em períodos maiores, como mensalmente, semestralmente e anualmente. Quanto mais controle você tiver sobre as finanças, melhor. 

Registrar o que ainda falta pagar e receber

Tenha suas despesas e ganhos futuros também registrados. Assim, você consegue lidar com o que tem em caixa hoje, prever o que terá no futuro e como seus pagamentos serão realizados. 

O fluxo de caixa ideal para cada situação

Conheça os tipos e o fluxo de caixa ideal para cada situação da sua empresa:

Fluxo de caixa operacional

É um fluxo de caixa que engloba apenas as questões essenciais para a execução das atividades operacionais de um negócio, sem contabilizar investimentos, juros, impostos e também sem avaliar a NCG – necessidade de capital  O fluxo de caixa operacional não contabiliza os investimentos da empresa, nem juros e impostos, assim como também não avalia a necessidade de capital de giro, sendo ideal para empresas em estágio inicial.

Fluxo de caixa projetado

O fluxo de caixa projetado não contabiliza o que já foi retirado e depositado na empresa, mas sim os ganhos e despesas futuros. Assim, o empresário fica preparado para despesas e prazos de contas a receber e a pagar.

Fluxo de caixa direto

Também engloba as despesas operacionais, mas nesse caso inclui ainda investimentos, NCG e impostos, podendo ser analisado diariamente. É um fluxo de caixa ideal para empresas de todos os portes, já que dá uma visão mais completa e prática sobre as finanças da empresa.

Fluxo de caixa indireto

O cálculo do fluxo de caixa indireto leva em conta o DRE (Demonstrativo Resultado do Exercício), sendo o fluxo de caixa ideal para verificar se a empresa teve lucro ou prejuízo em determinado período. 

Fluxo de caixa para investimentos

A empresa que quer saber o quanto ela tem disponível para investir precisa calcular o fluxo de caixa para investimentos. Dessa forma, ela deduz todas as despesas do orçamento, de qualquer área, como atividades operacionais, impostos, aluguéis, contas, etc.

Fluxo de caixa livre

Pelo fluxo de caixa livre, a empresa projeta seus ganhos e despesas para um período de 2 a 3 meses e verifica a sua capacidade de lidar com os vencimentos nesse período.

Agora que você já entendeu qual (ou quais) o fluxo de caixa ideal para o momento atual de sua empresa, que tal aliar esse conhecimento ao uso de um ERP para facilitar o fluxo de caixa? Solicite-nos uma demonstração!

Outros posts que você também pode gostar...